Metendo com força no Motel

visualizações

5 min

Categoria:

Tag: , , , , , , , , , , , , ,

Metendo com força no Motel

Metendo com força no Motel

Fui metendo a mão por dentro do seu calção e procurando aquele pau que já estava duro e tirei-o pra fora.

-o que VC acha da gente terminar essas cervejas lá no meu apartamento? Sua irmã já está dormindo e estamos fazendo barulho lá podemos ficar mais a vontade , VC não acha?"Olá meus amores.

Com os vizinhos não, mas e com a turma?– Eu nunca imaginaria que um de vocês iria criar caso vendo quatro lindas garotas nuas… vocês não são gays, são?– Não, ninguém é gay, mas talvez vocês nos deixem excitados…– Jura? E se eu te dissesse que é exatamente isso que nós queremos?– Ah, bom… então tudo bem!Elas tiraram os biquínis e ficaram calmamente deitadas, lado a lado, deixando o sol tostar suas brancas peles. No caminho para o Motel, o Saulo foi me atiçando, acariciando minha buceta e lambendo seus dedos. Chegando em frente sua casa liguei novamente avisando-a que estava ali em frente.

ele e inteligente, tem seu charme sabe beijar muito bem e tem uma pegada incrível, na hora K. Mas ela sempre pareceu muito tímida. Jorge não estava satisfeito e puxou a filha com força beijando sua boca, Isa, novamente com gosto de porra na boca, beijava ele e arranhava seu peito, até que o empurrou. rnAs loucuras de meu querido sogro tarado estavam igualmente me transformando em uma ninfomaníaca completamente sem juízo.

Como o meu gerente sofreu um acidente de carro quando estava vindo trabalhar, me pediu que atendesse um cliente especial chamado Rogério que iria ao banco renovar algumas apálices. Chegando no final do corredor vi uma cortina e por traz dela um sofá redondo onde tinha dois casais se pegando loucamente e claro parei pra assistir, meu tesão só aumentava mas fiquei apenas apreciando até que sinto uma mão subindo minha saia, olho para traz e vejo um homem lindo loiro de olhos claros mas mesmo assim resolvi continuar andando, afinal fui apenas para conhecer.

Ela fez uma careta torcendo o nariz.

O pau dele era mesmo muito grande, e doía a minha boca.

Quando cheguei minha prima foi bem receptiva, como sempre, mas naquele dia havia algo a mais que não percebi naquele momento, mas que mais tarde descobriria.